Audi altera o modo de entrega dos módulos de bateria nas suas instalações de Bruxelas

AM-06-08

 

Uma abordagem holística a uma logística neutra em termos de carbono está, assim, a celebrar a sua estreia: Os módulos de bateria e células oriundas da Hungria serão, no futuro, entregues em Bruxelas por via ferroviária em vez de chegarem em camiões. Esta mudança reduzirá as emissões anuais de carbono em cerca de 2.600 toneladas e serve de modelo para revolucionar, se possível, todos os envios de componentes de baterias do fabricante de automóveis. Reduzir a pegada ecológica da empresa é o objetivo central do programa ambiental Mission:Zero, transversal a todas as instalações.

 

Trata-se de um marco importante no caminho da Audi em direção a uma sustentabilidade transversal: No futuro, os componentes para a produção de baterias na fábrica da Audi em Bruxelas, provenientes da Hungria, deixarão de ser entregues por camião e passarão a ser transportados por comboio com a DB Cargo. Esta mudança irá reduzir radicalmente as emissões de carbono da Audi nocivas para o ambiente, bem como permitirá poupar muito dinheiro. A alteração na forma de transporte entre a Hungria e Bruxelas, que teve início em maio e que está prevista ser concluída no início de 2023, é uma antevisão do futuro do fabricante de automóveis: "Bruxelas desempenha um papel pioneiro, mas desenvolvemos este conceito de logística sustentável para módulos e células de bateria em toda a rede de produção da Audi", diz Dieter Braun, Diretor da Cadeia de Abastecimento da AUDI AG - e no futuro, de preferência, todos os locais de produção irão implementar esta solução.

 

A alteração para uma solução ferroviária reduz as emissões e poupa dinheiro

O projeto em Bruxelas ilustra o imenso potencial deste conceito de cadeia de abastecimento: Até agora, os módulos e células de bateria necessários na Bélgica para o Audi e-tron e Audi e-tron Sportback eram transportados por camião ao longo de uma rota de aproximadamente 1.300 quilómetros, a partir do fornecedor na Hungria. Para satisfazer a procura da unidade de produção belga, doze a quinze veículos totalmente carregados percorriam todos os dias a Europa. Esta caravana de camiões está agora a ser substituída pelo transporte ferroviário. A mudança irá reduzir as emissões de carbono em cerca de 2.600 toneladas por ano. Sempre que possível, a Audi utiliza o serviço DBeco plus da DB Cargo, por exemplo, atualmente, para os percursos do trajeto na Áustria e Alemanha: O serviço é alimentado por energia obtida exclusivamente a partir de fontes renováveis, tais como o vento, a água ou energia solar, tornando o transporte livre de carbono. Na Hungria e na Bélgica, a Audi utiliza o serviço DBeco neutral. Com este produto, a energia utilizada no transporte é compensada por meio de certificados climáticos, reduzindo as emissões de carbono noutros locais.

 

Volker Gérmen, Presidente do Conselho de Administração da Audi Bruxelas, explica o significado desta abordagem para a fábrica de Bruxelas: "A nossa unidade de produção já era neutra em carbono desde 2018. Por conseguinte, estamos também a trabalhar para tornar a cadeia de abastecimento sustentável, a fim de contribuir para a proteção ambiental a todos os níveis". Um benefício adicional, esta mudança também reduz os custos anuais do processo na ordem dos milhões. Para além de reduzir as emissões de carbono através da mudança para a via ferroviária, todo o processo de entrega na fábrica de Bruxelas foi otimizado.

 

O fornecedor dos módulos de bateria na Hungria não tem o seu próprio ramal ferroviário. Por conseguinte, o parceiro de longa data da AUDI AG, a DB Cargo, colocou recentemente em funcionamento um centro logístico (LC) nas instalações de Győr. No centro logístico protegido contra intempéries, os módulos de bateria são descarregados de camiões para vagões ferroviários para serem entregues. Os módulos são, numa primeira fase, recolhidos no fabricante por camião e, posteriormente, transportados desde o centro logístico de Győr, por caminho-de-ferro, até Bruxelas, uma viagem de mais de 1.000 quilómetros. Inicialmente, foi construído um pavilhão nas imediações da fábrica da Audi em Győr, mas está já a ser planeada uma expansão. A fim de satisfazer os requisitos de alta qualidade e segurança dos módulos de bateria e células, a equipa da Cadeia de Abastecimento da Audi utiliza uma plataforma de informação digital e tecnologia especial de sensores para monitorizar a temperatura e quaisquer choques nos vagões ferroviários.

 

Um conceito transversal a toda a empresa

 A mudança pioneira de Bruxelas está planeada para ser alargada a toda a empresa num futuro próximo: Componentes transportados em grandes quantidades, tais como módulos de bateria e células, passarão, cada vez mais, a ser entregues por via ferroviária. Até 2025, a Audi pretende transportar estes componentes exclusivamente por comboio. Na sede da Audi em Ingolstadt, por exemplo, tudo está pronto para a produção de baterias utilizando módulos e células enviados por via ferroviária; as baterias serão então utilizadas para fabricar modelos Audi no local. Foram instalados novos equipamentos e processos especificamente para este fim. E outras fábricas estão já a aguardar para fazer a transição para a entrega de componentes de baterias por comboio. Da mesma forma, uma grande parte dos produtos acabados são também expedidos por via-férrea: Atualmente, cerca de 68% dos veículos Audi na Europa já deixam as fábricas por caminho-de-ferro, um número que só deverá aumentar no futuro.

 

Integração no programa ambiental Mission:Zero

Estes objetivos articulam-se com o programa ambiental Mission:Zero, transversal a toda a empresa, através do qual a marca com os quatro anéis procura atingir a neutralidade de carbono em todas as suas instalações até 2025. Para além da descarbonização da produção e logística, a utilização da água, a eficiência de recursos e a biodiversidade são outras áreas-chave de atividade do programa Misson:Zero.