1300x551_quattro_intro.jpg


quattro®

Quem conhece a marca Audi conhece a tração quattro. Depois de experimentar a tração integral permanente quattro não vai querer conduzir de outra forma. Porquê? Porque nenhuma outra tração transpõe a força motriz de forma tão direta para a estrada.

A última geração da tração integral permanente quattro foi utilizada nos modelos RS e nos modelos A4 e A5. O seu principal componente é o diferencial central autoblocante, que recorre a um conjunto de engrenagens cónicas de discos múltiplos para obter valores de bloqueio elevados, contribuindo assim para uma melhor tração. Além disso, comparando o método de construção anterior, este diferencial central é mais leve e ocupa menos espaço. A distribuição assimétrica do binário de 40:60 (eixo dianteiro: eixo traseiro) é mantida com o fim de beneficiar a dinâmica de condução. No entanto, uma maior percentagem de binário pode ser agora direcionada para o eixo dianteiro ou traseiro, se tal for necessário.

Em combinação com a repartição variável e progressiva da força motriz, a potência pode ser repartida individualmente por cada roda, em função da situação de condução. O que torna esta tecnologia tão especial é o facto de a distribuição do binário ser ativada ainda antes de qualquer roda começar a deslizar. Deste modo, pode ocorrer um momento corretor de guinada que ajuda na curva.
O diferencial com engrenagem tipo coroa apresenta uma maior gama de distribuição do binário em relação ao anterior.

Tudo isto contribui para um controlo mais preciso e para uma condução mais desportiva, bem como para uma maior agilidade e uma excelente tração.

Como opção, a tração quattro com repartição variável e progressiva da força motriz pode ser complementada com o diferencial traseiro desportivo.

Com o diferencial traseiro desportivo, que atua no eixo traseiro, o veículo apresenta um comportamento neutro nas curvas. Isto torna-se possível porque o diferencial traseiro tem duas embraiagens, uma à direita e outra à esquerda. Desta forma, assegura-se que as rodas do eixo traseiro recebem diferentes binários. As embraiagens são ativadas através de um atuador eletro-hidráulico. Em função do ângulo da direção, da aceleração transversal e da velocidade, a unidade de comando calcula a repartição do binário entre as rodas para qualquer situação. Ao curvar ou ao acelerar em curva, a maior parte da força motriz é dirigida para a roda traseira posicionada no exterior da curva, o que “empurra” o veículo para o interior da mesma, fazendo-o seguir o ângulo das rodas dianteiras. A distribuição variável entre as rodas do lado esquerdo e do lado direito ajuda a direcionar o veículo, deixando quase de ser necessário corrigir a direção no volante. Isto contribui para um controlo mais preciso e uma condução mais desportiva, bem como para uma maior agilidade e uma excelente tração.